Archive for the ‘eficiência energética’ Category

Carros etiquetados!

Quarta-feira, Julho 23rd, 2008

Ambientalistas e a indústria automobilística juntaram-se para introduzir uma etiqueta energética nos carros novos a partir de outubro desse ano.  A nova etiqueta energética pretende ser nos mesmos moldes das utilizadas em eletrodomésticos, com um código de letras, uma escala de cores e o fator médio de emissão de dióxido de carbono (CO2). Por meio da etiqueta, o consumidor poderá comparar modelos a partir do consumo de combustível, entre outras coisas.

Na Europa a etiqueta energética se tornou comum nas lojas e concessionárias de carros novos. Aqui, ao contrário da tendência mundial, os fabricantes tendem a esconder o real consumo, com medo da reação cada vez mais “verde” dos consumidores.

Essa ótima iniciativa permitirá, por exemplo, a adoção das mesmas etiquetas à disposição dos consumidores europeus, de visualização facílima e um fator importante de compra, especialmente em tempos de combustível fóssil em declínio e aquecimento global em escala ascendente.

Fique atento às etiquetas na hora da compra!

Etanol: Custos & Benefícios

Segunda-feira, Julho 14th, 2008

Mauro Kahn, analista da geopolítica do petróleo e do meio ambiente, foi o fundador do Clube do Petróleo. Nessa breve exposição, Mauro nos explica de forma clara e simples o que é mito e o que é verdade acerca do Etanol.

Vale a pena ler!

Os biocombustíveis se encontram no centro da discussão energética global, especialmente o programa brasileiro para a produção de álcool - sendo odiado e amado com o mesmo fervor por diversos especialistas e integrantes do setor energético. Deste debate, muitas vezes desviado pela desinformação do público, decorre uma série de mitos.

Analisando os mitos:

  • Mito 1 - O Brasil poderá ser responsabilizado pelo aumento dos alimentos no mundo.

MK: O argumento é exagerado, uma vez que o aumento dos alimentos decorre de uma serie de fatores que independem do Brasil. Por outro lado, é possível afirmar que esta demanda crescente por alimentos não deixa de ser uma ótima oportunidade para que o país venha a se tornar o maior exportador de alimentos do mundo. É possível visualizar o problema quando projetamos o avanço dos canaviais através dos estados do Paraná, Matogrosso, Goiás e Minas Gerais. É certo que o Brasil necessitará de uma organização e controle agrários acima daquele que dispomos hoje para impedir que essa expansão prejudique a pecuária e culturas geradoras de grãos.

Sem dúvida alguma, a plantação da cana-de-açúcar é bastante rentável, apresenta resultados rápidos e demanda investimentos relativamente menores do que outras atividades substitutas. A cana-de-açúcar é - de fato - uma monocultura com expressivas “barreiras de saída”. Por outro lado (ou justamente por isso), torna-se quase inviável o retorno para a atividade anterior. E, destarte, não é recomendável colocarmos todos os nossos os ovos em uma única cesta.

  • Mito 2 - O álcool é um combustível de extrema eficiência e capaz de substituir o petróleo com o espetacular aumento no preço do barril.

MK: Esse é um aspecto raramente colocado em xeque, no entanto de máxima importância. Ao contrário do que pode parecer a princípio, a cana-de-açúcar não produz tanta energia quanto setores interessados parecem sugerir. Lembremos que um hectare (10 000 m²), caso totalmente plantado, produz em média cerca de 7 000 litros de álcool. Levando em consideração que um carro movido a álcool consome, também em média, cerca de 3 500 litros por ano, pode-se calcular que será necessário meio hectare para abastecê-lo.

A título de exemplo, os jardins do Aterro do Flamengo - no Rio de Janeiro - possuem uma dimensão estimada em 120 hectares. A partir daí, não fica difícil imaginarmos que, se transformássemos a região em um extenso canavial, iríamos atender ao consumo de uma frota com apenas 250 automóveis (aproximadamente).

Observe que, para atendermos ao consumo da frota de automóveis da cidade do Rio de Janeiro - estimada em 2,5 milhões de veículos - seriam necessários cerca de 10 mil aterros!

Naturalmente, estes dados não excluem o valor do álcool como combustível complementar ao petróleo e ao gás natural. Quem viveu a década de 80, ainda se recorda da ajuda que o álcool nos proporcionou em plena crise do petróleo. Entretanto, cabe ressaltar que, naquela época, nossas reservas petrolíferas eram infinitamente inferiores às atuais, e que o GNV nem sequer era cogitado no Brasil. Hoje, não se pode mais colocar a questão sob a mesma perspectiva e nem o mesmo contexto. Não se pode olhar para trás.

  • Mito 3 - O álcool é um combustível ecológico e o planeta será favorecido por seu uso intensivo.

MK: Não há qualquer dúvida de que o álcool propriamente dito seja um combustível muito mais limpo do que os derivados do petróleo. No entanto, ao aprofundarmos a questão, este suposto ganho ecológico não se sustenta da mesma maneira.

Em primeiro lugar, o álcool não evita o consumo do óleo diesel, consideravelmente mais poluente do que a gasolina (muito pelo contrário: na realidade, ele indiretamente estimula este consumo, uma vez que o combustível é utilizado no transporte do álcool para os grandes centros). Além disso, não podemos ignorar as queimadas realizadas antes da colheita, outra fonte expressiva de poluentes.

A conclusão a que se chega, após todas as questões expostas, é de que o álcool surge ideal para metrópoles como São Paulo, onde uma frota incrivelmente grande acaba por gerar uma poluição insuportável. Já para uma cidade como Manaus - que por muito tempo poderá contar com as expressivas reservas de petróleo e gás de URUCU - o consumo de álcool não encontra justificativa razoável.

Fonte: Clube do Petróleo

Balada Sustentável

Terça-feira, Junho 24th, 2008

Um conceito bastante criativo em termos ambientais vem da Holanda. O Sustainable Dance Club (Discoteca Sustentável), em Roterdã, é um projeto que tem por objetivo transformar a diversão numa inteligente maneira de educar e contribuir com o meio ambiente.

A principal novidade vem da pista de dança, que será capaz de gerar energia elétrica a partir dos movimentos das pessoas. A energia mecânica gerada pela dança será transformada em eletricidade através de um gerador.

A idéia ainda inclui abastecimento dos banheiros com água da chuva, paredes que mudam de cor numa reação ao calor e turbinas de vento para arejar o terraço.

E no bar, cerveja orgânica. A danceteria sustentável é um conceito de duas organizações: Enviu - Innovators in sustainability e a empresa de arquitetura Döll.

Agora imaginem se essa moda pega por aqui. Contando só as baladas em São Paulo e Rio de Janeiro daria pra abastecer o país inteiro!

Fonte: BlogTV - Greenpeace

Philips: Eficiência Energética dá lucro!

Terça-feira, Junho 17th, 2008

Os produtos verdes da Philips já respondem por 20% da receita global da empresa. Em 2007, o faturamento mundial com essa série totalizou 5,3 bilhões de euros (US$ 7,78 bilhões), com avanço de 33% sobre 2006.
A expectativa é que a comercialização desses itens corresponda a 30% da receita total até 2012. A meta faz parte do quarto programa EcoVision Philips que estabelece investimentos de 1 bilhão de euros (US$ 1,468 bilhão) em inovação e a melhora da eficiência energética de escritórios e fábricas em até 25% nos próximos cinco anos.

Os produtos verdes são os que recebem um selo depois de atenderem quesitos de sustentabilidade, como menor consumo de energia, redução da quantidade de metais pesados utilizados na fabricação dos itens, reciclagem e descarte, entre outros. No segmento de iluminação, as vendas de produtos verdes cresceram 17%. Conforme a empresa, o maior avanço se deu no mercado de iluminação residencial, seguido de perto por soluções em iluminação comercial e pública. O sistema de iluminação pública CosmoPolis, por exemplo, que foi instalado em diversas cidades na Europa e na Ásia desde seu lançamento em 2005, reduz o consumo de energia em 50%.

No segmento de saúde, as vendas dos itens com o selo verde crescem 35%, com estaque para a linha de equipamento de ressonância magnética e monitores de pacientes. A ressonância magnética Achieva 3.0T X-series, por exemplo, apresenta redução de 32% no impacto ambiental normalmente atribuído a esse tipo de equipamento, se comparado a modelos anteriores. Já o monitor de pacientes IntelliVue MMS X2 consome 52% menos energia durante o uso.

No chamado segmento estilo de vida, alguns modelos de TVs em LCD em que alguns modelos consomem 36% menos energia que concorrentes próximos.

Fonte: Abesco 

Cidade abastecida pelo vento

Segunda-feira, Junho 2nd, 2008

Apesar de ser o país mais contestado no mundo em termos ambientais, os EUA é um grande celeiro de boas novidades.

A mais recente notícia vem de Rock Port, no estado de Missouri. Rock Port se tornou a primeira cidade americana a ter toda sua eletricidade advinda de geradores eólicos. A construção é uma parceria entre Wind Capital Group e a John Deere Wind Energy, duas empresas especializadas em financiar projetos rurais por todo os EUA.

A nova construção tem capacidade para gerar 5 megawatts por dia e tem como expectativa gerar 16 milhões de Kwh de eletricidade por ano.

A independência energética de Rock Port tem sido invejada por muitas outras cidades no mundo. A energia gerada pelo vento é uma das grandes apostas para solucionar boa parte dos problemas energéticos e ambientais. Apesar de se tratar de uma cidade pequena (cerca de 1.400 pessoas), a iniciativa é louvável e ecologicamente correta.

A nós, resta torcer. Que seja o vento o nosso salvador!

18 segundos - Post Especial Akatu

Quinta-feira, Abril 24th, 2008

No começo de 2007, foi lançado nos Estados Unidos um movimento chamado 18 seconds. De acordo com os organizadores, esse é o tempo que se gasta para trocar uma lâmpada convencional por uma econômica. Com a mensagem “Troque a lâmpada. Troque tudo”, e apoiado e divulgado pelo mega-portal Yahoo, o movimento já contabiliza, desde seu lançamento, mais de 161 milhões de lâmpadas trocadas. De acordo o site, essa mudança evitou a queima de mais de 7,2 milhões de toneladas de carvão e a emissão de 32 milhões de toneladas de CO2.

Essa quantidade é bastante significativa. Para dar uma idéia, durante um vôo de São Paulo a Nova York, o jato emite cerca de 3 toneladas de CO2. Isto significa que para emitir a mesma quantidade de CO2 economizada pela troca das lâmpadas nos EUA, um avião teria que fazer mais de 10 milhões de vezes esse percurso.
Para convencer os internautas, o site elenca uma série de vantagens das lâmpadas de modelo econômico. Muitas delas bem interessantes.
• Em média, as lâmpadas respondem por 20% do gasto com a conta de luz
• As lâmpadas convencionais usam apenas 10% da energia consumida para iluminar. Os 90% restantes são desperdiçados com a geração de calor.
• As lâmpadas econômicas produzem 70% menos calor do que as convencionais. Isso quer dizer que elas propiciam economia com ar condicionado e ventiladores.
• Durante a sua vida útil, uma lâmpada de modelo econômico, com selo de eficiência energética emite cerca de 4 a 5 vezes menos CO2 que uma lâmpada convencional. Uma economia média de 80%.
• Em média, as casas têm entre 10 e 20 lâmpadas.
• Diminuir a quantidade de energia que se usa para manter uma casa e um carro é a melhor forma que existe para ajudar a combater o aquecimento global.

Talvez você gaste um pouco mais de 18 segundos para trocar a lâmpada, mas diante dos argumentos acima, vale a pena gastar esse tempo e ajudar a conter o aquecimento global. Além do valor da conta de luz, é claro.

Janelas do futuro

Segunda-feira, Abril 14th, 2008

Um novo invento pode ser o futuro da captação de energia em casas e prédios comerciais. O professor Jonh Bell, da Universidade de Tecnologia de Queensland, Austrália, vem, há algum tempo, desenvolvendo um vidro que também é um gerador de energia solar. Ele trabalha juntamente com a empresa australiana Dyesol.

A janela, que terá uma tonalidade levemente avermelhada, promete ser a nova sensação na construção de casas, pois, segundo estudos, pode reduzir em quase 50% das emissões de carbono e gerar uma economia significativa nas contas de energia.


O professor afirma ainda que a instalação das janelas poderia até gerar excesso de energia, que poderia ser vendido ou armazenado para uso posterior.

Completamente transparentes, as janelas possuem células solares com dióxido de titânio revestido de um corante que aumenta a absorção de luz.

O vidro capta a energia solar, que pode ser usado para alimentar a casa, mas também pode reduzir o superaquecimento da casa, reduzindo a necessidade de refrigeração.

Em pouco tempo deveremos ter essa novidade no mercado. A pergunta que fica é: Será que essa tecnologia será acessível a todos?

Via GreenBlog 

Eco TV

Quinta-feira, Abril 10th, 2008

A Philips exibiu na CES (Consumer Electronics Show) um novo modelo de TV que promete ser líder na questão eficiência energética.
O modelo Philips Eco TV de 42 polegadas LCD exibe tecnologias que prometem reduzir fortemente o consumo de eletricidade. Um dos recursos que possui é o uso de menos brilho em cenas de tela escura, o que, segundo a Philips, deixa o tom de preto mais real. Outro dispositivo lê a luminosidade do ambiente e ajusta o brilho da TV automaticamente.

Se o usuário vir TV numa sala ensolarada, ela aumenta o brilho. Se o filme roda à noite ou em sala escura, o brilho cai.
A Philips também modificou o sistema de stand-by, que neste modelo consome apenas 0.15 watt. O consumo médio da TV em funcionamento é de 75 watts, o equivalente a uma única lâmpada incandescente de média potência acesa.

Segundo a fabricante, não há no mercado painel LCD mais econômico em termos de consumo de luz. Seguindo a linha ecologicamente correta, a ECO TV não possui nenhum componente de chumbo e com níveis de mercúrio muito abaixo da média de outros aparelhos do gênero. Além disso, a embalagem e os manuais de instrução são feitos de materiais recicláveis.
É uma prova que tecnologia e respeito ao meio ambiente podem andar de mãos dadas e ainda assistirem a um bom filme.

ECO TV foi a ganhadora do prêmio de “melhor produto da CES 2008”.

Standby

Sexta-feira, Abril 4th, 2008

Você sabia que cerca de 10% do consumo energético doméstico é desperdiçado no modo standby de seus aparelhos, custando mais de US $ 5 bilhões anualmente nos EUA?

Muitas empresas estão tentando substituir as atuais fontes de alimentação por novos e modernos dispositivos que consomem menos energia. O Lawrence Berkeley National Lab estima que de 75% de redução é possível em novos equipamentos e que quase todas as funções de espera podem ser realizadas com menor voltagem do que o usual. Tudo bem, isso é uma solução que não podemos buscar em curto prazo, mas existem outras ações que, se colocadas em prática, pode diminuir consideravelmente o nosso consumo.

Muitos desconhecem o consumo do standby. Sabe aquela luzinha vermelha que fica acesa nos aparelhos de televisão, aparelhos de som, no DVD, quando não estão sendo utilizados? Ela significa que você está gastando energia elétrica desnecessariamente. Em alguns casos, os aparelhos gastam ainda mais energia deste modo do que se estivesse efetivamente ligado.

Se você parar para pensar agora: Quantos aparelhos na sua casa estão em standby nesse exato momento? Quantos desses aparelhos passam dias e dias sem sequer serem ligados?

Horário de Verão - Vale a pena?

Quinta-feira, Março 27th, 2008

O horário de verão foi originalmente proposto por um nobre chamado William Willett. O britânico, membro da Sociedade Astronômica Real, defendia a tese de que a humanidade desperdiçava a luz natural e propunha a alteração dos relógios.
Anos mais tarde, durante a Primeira Guerra Mundial, os alemães usaram sua teoria para poupar energia e se tornaram o primeiro país a adotar o horário de verão.

Desde então muitos países adotaram a prática, inclusive o Brasil, que adota o horário de verão desde 1985, ininterruptamente. A primeira vez que ocorreu no Brasil foi em 1931, por um decreto de Getúlio Vargas.

Porém, precisamos questionar: Realmente vale a pena? Quais os benefícios? O que é mito e o que é realidade?

Um estudo feito pela Universidade da Califórnia responde algumas dessas perguntas:

# 1: O ‘Horário de Verão’ cria uma hora extra de luz?

Mito. Há uma série de artigos pela Internet dizendo que o horário de verão cria mais claridade e, portanto, contribui para o aquecimento global. Convenhamos que isso é apenas uma medida para reduzir minimamente o consumo de energia. É uma mudança apenas no relógio e não altera em nada o tempo e o espaço.

# 2: O ‘Horário de Verão’ tem um impacto negativo sobre animais e a agricultura.

Mito. Animais e culturas não têm idéia que o horário de verão está implantado. O que pode mudar ou alterar o bem-estar de um animal ou de determinada cultura é o modo que cada agricultor ou dono de animal reage à mudança.

# 3: O ‘Horário de Verão’ poupa energia?

Mito. Pode ter havido um tempo em que o ‘Horário de Verão’ representasse energia economizada, mas infelizmente não é mais o caso. Um estudo feito na Austrália e no estado de Indiana (EUA) mostrou que a diminuição do uso de energia é irrisória e insignificante. Por outro lado, essa diminuição do consumo de luz foi superada – e muito! – pelo consumo de gasolina e ar condicionado nos carros.

# 4: O ‘Horário de Verão’ reduz os acidentes de trânsito e crimes?
Fato. Neste mesmo estudo, dados mostram uma acentuada diminuição dos acidentes de trânsito quando o horário de verão está vigente. Os dados sobre os crimes foram inconclusivos.

# 5: O ‘Horário de Verão’ aumenta a nossa saúde?
Inconclusivo. Embora certamente existam benefícios físicos e emocionais quando se tem maior exposição a vitamina D (sol) e atividades ao ar livre, o corpo demora para se adaptar à nova realidade. O padrão do sono e o ritmo cardíaco são alterados. Os especialistas afirmam que os benefícios e malefícios se equivalem.

Mas depois de todas essas informações, por que continuamos a adiantar o relógio?
A resposta, pelo menos nos EUA, é puramente econômica. A Sporting Goods Manufacturing Association (materiais esportivos) e a National Association of Convenience Stores (lojas de conveniência), registram lucros milionários toda vez que os relógios se adiantam. Só a rede 7-eleven registrou lucros de US$30 milhões!

E no Brasil, quem será o maior beneficiário?